segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Johannes Brahms (1833-1897) - Concerto para Violino e Orquestra em D maior, Op. 77

Andei pensando no que eu ia postar. Havia separado alguns CDs. Pensei em Bach, Britten, Mozart, Beethoven e etc. Mas me recordei dessa gravação do concerto para violino e orquestra, Op. 77, de Brahms. É uma das peças que mais aprecio. A gravação que ora apresento traz um grande nome da regência no século XX, pelo menos na primeira metade do século, Pierre Monteux. O maestro franco-americano fez importantes incursões musicais na primeira metade do século passado. Tocou violino, viola e tornou-se regente. A wikipédia diz que " [No ano de] 1911, ele tornou-se condutor [regente] da compania de ballet Sergei Diaghilev, uma compania Russa. Nesta compania, ele conduziu as estréias de Petrushka, em 1911, e O Rito da Primavera em 1913, ambas de Stravinsky; Jeux de Debussy em 1913 e Daphnis et Chloé de Ravel em 1912. Estas interpretações mudaram o curso de sua carreira, sendo conhecido no resto de sua vida, por ser um grande condutor para obras da música francesa e russa". Inclusive, qualquer dias desses, postarei Petrushka e o Rito da Primavera de Stravinsky com o próprio Monteux. Fato interessante é que Monteux fundou a Orquestra Sinfônica de Paris em 1929. Foi professor de importantes regentes Lorin Maazel, Neville Marriner, André Previn, David Zinman, entre outros. Por ora fiquemos com esta fabulosa gravação do concerto para violino e orquestra de Brahms, um dos maiores compositores de todos os tempos. Boa apreciação!

P.S. O CD custa U$ 250,00 (duzentos e cinquenta dólares) na Amazon. Um susto!

Johannes Brahms (1833-1897) - Concerto para Violino e Orquestra em D maior, Op. 77

01 I. Allegro non troppo (21:54)
02 II. Adagio (9:22)
03 III. Allegro giocoso,ma non troppo vivace (7:58)

Na Amazon

London Symphony Orchestra
Henryk Szeryng, violino
Pierre Monteux, regente

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante!

2 comentários:

Anônimo disse...

de que é feito esse material, seria ele de ouro?
nao escuto musica classica, mas depois de levar esse susto apoio a disponibilizaçao desses materiais.

Anônimo disse...

Espetacular essa obra de Brahms, não a conhecia completa, mas depois de apreciá-la, estou certo de que estará entre minhas favoritas. E de fato ele é feito de ouro, cujo o preço é de assustar. Belíssimo blog, Carlinus!